Considerações e Contra-indicações nas Terapias aquáticas

1.      Febre, especialmente se estiver acima de 38oC (100oF).

2.     Arritmia cardíaca, angina instável, sistema cardiovascular seriamente comprometido. Pressão sangüínea excessivamente alta ou excessivamente baixa.

3.     Capacidade vital significativamente limitada (abaixo de 1500 ml). Incapacidade de tolerar uma queda de 10% da capacidade vital.

4.     Ausência de reflexo de tosse. Monitore com muito cuidado.

5.     Infecção urinaria grave.

6.     Incontinência intestinal imprevisível.

7.     Grandes feridas abertas e pequenos ferimentos abertos, em pessoas muito suscetíveis a infecção.

8.     Epilepsia, incontrolada. A luz refletindo fora da água pode aumentar a probabilidade de convulsões.

9.     Doença contagiosa ou infecção transmissível por água ou ar.

10.  Sensibilidade a produtos químicos usados em piscina (cloro, bromo, etc.).

11.  Doença arterial periférica grave.

12.  Hemorragia cerebral recente (geralmente é melhor esperar três semanas após a sua ocorrência).

13.  Diabetes não controlada (tenha tabletes de açúcar ou suco disponível na piscina).

14.  Tímpanos perfurados. Mantenha a água fora dos ouvidos.

15.  Doença renal, na qual o paciente não consiga se ajustar à perda de líquido.

16.  Paciente com grave incapacidade para regular a temperatura do corpo.

17.  Se o paciente estiver sob corticoterapia por muito tempo, ou terapia profunda recente de raios X, a água tende a deixar uma pele já delicada ainda mais frágil. Seque a pele suave e totalmente.

18.  Traqueostomia aberta.

19.  Sensação de enfraquecimento, especialmente nas pernas (derrame, dano cerebral, lesão na coluna vertebral, diabetes, neuropatia periférica etc.) Deve-se evitar o ato de ficar esfolando um machucado na beira ou no fundo da piscina (talvez seja necessário o uso de meias). As luzes debaixo d’água geram um calor considerável. Os clientes não devem encostar-se a elas.

20.  Esclerose múltipla. Talvez haja muita sensibilidade ao calor. Consulte seu cliente com antecedência para saber se ele suporta o verão, banho quente, etc. Se o calor for problema, pode ser necessário fazer o trabalho numa piscina de água fria, ou escolher uma outra abordagem de terapia aquática em água fria.

21.  Vias intravenosas, vias “heplocks”, vias “hickman” etc, consulte o médico.

22.  Portadores de gastrostomias, colostomias, etc, podem entrar na piscina se a pele em volta do estômago estiver bem curada. Drene a bolsa primeiramente.

23.  Pacientes com cateteres podem geralmente entrar na piscina. Drene a bolsa primeiramente. Se possível prenda o cateter para evitar qualquer refluxo.

24.  Mulheres grávidas: Se tiver tendência de perder embrião, não fazer tratamento aquático nos primeiros três meses de gravidez. Evitar água em temperatura superior a 36oC ou 96oF.

25.  Síndrome de Down e outras síndromes que possuem como característica o tônus muscular baixo.

26.  Frouxidões ligamentares.

27.  Massagear portadores de câncer.

28.  Indivíduos que tiveram efeito chicote, principalmente recente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *